Estado de Alagoas

Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

« Dezembro 2017 »
Dezembro
SeTeQuQuSeSaDo
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Caixa

banner-CGU-acesso-a-informacao.jpg

banner-CGU-acesso-a-informacao.jpg

 
» Página Inicial Sala de Imprensa Artigos O equívoco da redução da maioridade penal
05/08/2010 - 13h39m

O equívoco da redução da maioridade penal

O problema da criminalidade está na boca do povo. Isso é bom. É interessante ver que a classe média alta começa a se preocupar com a questão da criminalidade, muito embora saibamos que isso só ocorre porque a violência começa a invadir os condomínios de luxo de forma mais explícita, para além da violência doméstica e dos delitos sexuais silenciosos que ali existem. Enquanto está nas periferias e nas favelas, a criminalidade é alienígena e, portanto, pouco ou nada sensibiliza.

O problema da criminalidade está na boca do povo. Isso é bom. É interessante ver que a classe média alta começa a se preocupar com a questão da criminalidade, muito embora saibamos que isso só ocorre porque a violência começa a invadir os condomínios de luxo de forma mais explícita, para além da violência doméstica e dos delitos sexuais silenciosos que ali existem. Enquanto está nas periferias e nas favelas, a criminalidade é alienígena e, portanto, pouco ou nada sensibiliza.

A questão se torna delicada, porém, quando percebemos a tentativa de apontar soluções pueris para a segurança pública, fundadas na cultura de importação de modelos de outros países que, de modo algum, se aplicam à realidade brasileira. É lamentável perceber que o costume de julgar o importado sempre melhor do que o nacional ultrapassa o campo de fabricação dos eletrônicos, das roupas e até das comidas, chegando, perigosamente, à esfera das políticas públicas.

Se nos Estados Unidos a maioridade penal varia entre 6 e 12 anos, isso não significa que tal modelo seja o mais adequado para o Brasil. Aliás, nem mesmo para os americanos. Numa sociedade preconceituosa e xenofóbica como a norte-americana, crianças e adolescentes com sérios problemas de comportamento, autores de crimes bárbaros, surgem aos montes todos os dias. Não é a maioridade penal quem estabelece a tônica de uma juventude psicologicamente saudável e livre de envolver-se em atos de violência.

Que crianças e adolescentes brasileiros estão cada vez mais envolvidos com a criminalidade violenta, isso não é novidade. Já na década de 1980 se falava em “trombadinhas”, expressão quase carinhosa para identificar jovens autores de atos infracionais que representavam o mais podre lixo da sociedade brasileira. Hoje o número de jovens infratores aumentou e as drogas têm um papel fundamental nesse processo.  Porém, colocar essas crianças nos nossos desumanos cárceres não é a solução para o problema. É apenas uma satisfação imediata para aqueles que não querem sujar as mãos com as tentativas de resgatar um mínimo de dignidade que permita a esses jovens uma convivência salutar no nosso meio social.

 

Autora: Elaine Pimentel

Professora da Ufal e membro do Conselho Estadual de Segurança Pública de Alagoas.

Ações do documento

Galeria de Fotos

ouvidoria.jpg

169bannerdados.png